terça-feira, 16 de julho de 2019

Portos do Paraná têm saldo positivo de US$ 1,87 bilhão

Os portos paranaenses movimentaram no primeiro semestre do ano mais de US$ 14 bilhões em mercadorias. As exportações representaram 56,5% do valor total e geraram US$ 8 bilhões em receita. As importações somaram US$ 6,15 bilhões (43,5% do total). Com isso, os terminais paranaenses tiveram saldo positivo de US$ 1,87 bilhão.
Segundo dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o Porto de Paranaguá ocupa o terceiro lugar ente os portos públicos brasileiros em valor gerado com as exportações. “Ficamos atrás apenas do porto de Santos, que tem o triplo de cais e é o maior do país, e de Itaguaí, no Rio de Janeiro, que transporta minério de ferro e, por isso, tem uma grande participação nas exportações nacionais”, explica Luiz Fernando Garcia, diretor-presidente da empresa pública Portos do Paraná.
EXPORTAÇÕES - O produto que mais gerou receita no período foi a soja. O grão exportado pelo Porto de Paranaguá gerou mais de US$ 2,13 bilhões. Desse total, US$ 1,9 bilhão - quase 90%, teve como destino a China.Os outros dois principais países compradores da soja embarcada no Paraná foram Bangladesh (cujo comércio gerou receita de cerca de US$ 79 milhões) e Holanda (US$ 59 milhões).
O segundo produto que mais gerou receita no semestre foi a carne de frango: quase US$ 1,9 bilhão. A China é o principal destino (US$ 303,5 milhões), seguida do Japão (US$ 149,5 milhões) e Emirados Árabes (US$ 126,5 milhões). O terceiro produto no ranking das exportações, em valor gerado, foi o farelo de soja: US$ 1 bilhão, sendo Holanda (US$ 233,2 milhões), França (US$192 milhões) e Coreia do Sul (US$138,7 milhões) os maiores compradores.
Destaque ainda para a celulose (US$ 385 milhões), milho (US$ 342 milhões) e carne de boi (US$ 336 milhões).
IMPORTAÇÕES - Entre os principais produtos importados pelos terminais paranaenses estão os fertilizantes, os derivados do petróleo e os veículos. Somente em fertilizantes, de todos os tipos, os portos de Paranaguá e Antonina movimentaram US$ 1,33 bilhão. Considerando as cinco variedades de adubos importados, as principais origens foram Canadá, China, Estados Unidos, Marrocos e Rússia.
Em derivados de petróleo foram US$ 754,9 milhões importados. O produto veio, principalmente, dos Estados Unidos, da Holanda e dos Emirados Árabes. As importações de veículos somaram US$ 603,5 milhões, no semestre. Os automóveis chegaram, principalmente, da Argentina, do México e da Alemanha.
AEN

PORTO DE ITAJAÍ IMPLANTA SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA O TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

A entrega do novo berço de atracação (berço 4), em 17 de junho, coincide com o início das operações de um moderno sistema de monitoramento meteorológico e oceanográfico do canal de acesso aos Portos de Itajaí e Navegantes.
A empresa Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental LTDA, que lidera o consórcio Acquaplan-Sináutica-RioInterport-AJM, é responsável pela implantação do sistema de oceanografia operacional denominado SIMPORT, que já opera com sucesso na Baía da Babitonga, Porto de Imbituba, em Santa Catarina, no Terminal Portuário de Paranaguá (TCP), no Paraná, e no Complexo do Porto-Açu, em São João da Barra, no Rio de Janeiro.
O sistema monitora e informa os usuários em tempo real sobre as condições meteorológicas e oceanográficas que implicam nas variações do mar (ondas, correntes e nível da água) e afetam diretamente a entrada e saída de navios ao complexo.
“Monitorar essas variações tem importância fundamental no planejamento e na execução das manobras portuárias (atracação, desatracação e navegabilidade), auxiliando a praticagem local na navegação e manobras de navios”, destaca o representante legal do consórcio e sócio da empresa Acquaplan, oceanógrafo Emilio Dolichney.
De acordo com Emilio, o sistema contará com dados complementares obtidos através de modelagens numéricas sistemáticas operando 24 horas, as quais permitirão a previsão antecipada de informações meteoceanográficas, antecedendo ocorrências climáticas e oceanográficas capazes de afetar o andamento rotineiro das operações portuárias.
Os equipamentos do SIMPORT consistem de medidores das velocidades e direções das correntes por efeito Doppler (ADCP), ondógrafo que mede a altura a direção e o período de ondas, um marégrafo que registra em tempo real a variação da maré e três estações meteorológicas monitorando as condições de vento, temperatura e precipitação no Complexo Portuário de Itajaí.
“Com a implantação desse sistema, certamente o Porto de Itajaí e seu Complexo num todo, terão mais condições de segurança de navegação. Sabemos que quando nos deparamos com condições climáticas adversas, impossibilitando a entrada de navios, o prejuízo pode ser imenso resultando em índices baixos de economia e o município só perde com esta situação ”, comentou o Prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni.
De forma geral, as execuções destes serviços irão garantir segurança e qualidade de navegação, pois todos os materiais a serem utilizados atendem as normas da Marinha do Brasil e da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
O contrato abrange também toda a operação e manutenção deste pacote de serviços em um período de 5 anos, sendo o investimento orçado em 5,9 milhões de reais. Todo o sistema opera com interface web e em aplicativos para smartphones e tablets, ou seja, com transmissão de dados em tempo real.
Para André Pimentel, Diretor Técnico da Superintendência do Porto de Itajaí, o sistema fazia parte de um plano antigo, cujo amadurecimento desenvolveu-se ao longo dos anos culminando num sistema bastante completo e amplo, contribuindo com a segurança da navegação no canal de acesso:
“Se antigamente não tínhamos como viabilizá-lo por vários fatores, a realidade hoje é outra e muito melhor. Desde junho estamos operando e mantendo o sistema. Registra-se que, em conjunto com os serviços de Praticagem, estamos em fase de calibração técnica por um período de até 90 dias. A eficiência e qualidade dos equipamentos transmitem excelentes dados náuticos em tempo real, e, paralelo a isso, contribui com o planejamento da entrada e saída das embarcações ao qual está sendo implantada a nova sinalização náutica do novo acesso aquaviário do porto, conforme projeto de engenharia desenvolvido pela própria Diretoria Técnica, devendo ficar totalmente pronto em agosto”, destacou.
Atualmente o Porto de Itajaí movimenta mais de 25 mil contêineres por mês e é o segundo maior movimentador de contêineres do Brasil. Ainda no Brasil, é o primeiro porto na movimentação de congelados e de acordo com dados estatísticos da FIESC – Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, movimenta 5% da balança comercial do Brasil e mais de 70% da balança comercial de Santa Catarina.
Para o Superintendente do Porto de Itajaí, Fábio da Veiga, ter uma sinalização náutica eficiente é mais uma ação estruturante da Autoridade Portuária, cuja finalidade garantirá a segurança de tráfego de embarcações aliados ao desempenho de suas operações:
“Através de seu Complexo, o Porto de Itajaí, é considerado o porto de maior representatividade no Estado de Santa Catarina. Para dar sequência aos bons números que estamos conquistando mensalmente, entre tantas outras ações que alavancam nossa economia, primordial também é a implantação de um sistema de navegação de última geração, sendo um dos melhores do país para o tráfego de embarcações. Em nosso complexo portuário, este novo sistema atuará de forma preventiva e acima de tudo, antecipará quaisquer tipos de problemas que possam surgir durante a movimentação de navios”, finaliza.
De acordo com o setor de Licitações da Superintendência do Porto de Itajaí, o Edital com todas as especificações técnicas para implantação, operação e manutenção da nova sinalização náutica e do sistema de monitoramento dos parâmetros de navegação do acesso aquaviário do Porto de Itajaí foi publicado em dezembro de 2018 e finalizado e homologado em janeiro de 2019.
Entre os serviços que compreendem o edital estão: construção, demolição e alteamento de faroletes, aquisição, instalação e reposicionamento de bóias flutuantes e seus devidos acessórios, instalação de lanternas de sinalização, instalação de marégrafo (equipamento que mede a variação de marés), estação meteorológica, serviços mensais para operação e manutenção da nova sinalização náutica, material sobressalente, inspeções periódicas (diurna e noturna), entre outros.

Santa Catarina registra segunda morte em humanos por febre amarela




Santa Catarina registrou a segunda morte em humanos por febre amarela. O paciente era um homem, de 40 anos, residente em Itaiópolis, no Planalto Norte. Ele não tinha registro de vacina no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) e morreu no dia 29 de junho de 2019. Os resultados da investigação epidemiológica, aliados à confirmação laboratorial da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Paraná, referência para Santa Catarina, atestam, portanto, o segundo caso autóctone com óbito registrado no estado.
A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), vinculada à Superintendência de Vigilância em Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde, informa que, como se tratava de suspeita de febre amarela, foi realizada uma investigação conjunta entre a Gerência Regional de Saúde de Mafra e a Secretaria Municipal de Saúde de Itainópolis, utilizando o Protocolo de Investigação de Óbitos Febre Amarela do Ministério da Saúde (MS). Os exames foram encaminhados pelo Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de Santa Catarina.
Para evitar novos casos, foi realizado um mutirão de vacinação contra a febre amarela em um raio de dois quilômetros da residência do paciente, totalizando 492 doses. Depois da confirmação da morte, a procura por vacinas também aumentou nas unidades de saúde.
O primeiro óbito confirmado em humanos por febre amarela foi em um paciente de 36 anos não vacinado, residente em Joinville, no dia 12 de março. Antes disso, Santa Catarina não registrava casos de febre amarela em humanos desde 1966.
Prevenção
 Foto: Dóia Cercal/Secom
Santa Catarina se tornou Área com Recomendação de Vacinação contra a febre amarela (ACRV) no segundo semestre de 2018. Desde então, as campanhas para vacinação contra a doença foram intensificadas em Santa Catarina com o objetivo de atingir a cobertura vacinal de 95% dentro do público-alvo. Até agora, o estado atingiu 74,15% da cobertura vacinação. O índice atualmente do município de Itaiópolis é de 88,40%.
Segundo Maria Teresa Agostini, diretora da DIVE/SC, para ficarmos seguros contra a doença é preciso alcançarmos a meta de vacinação: “A gente reforça a necessidade da população procurar as unidades de saúde para fazer a vacina e, em caso de sintomas da doença, procurar atendimento imediato para aplicação do protocolo de manejo clínico e classificação de risco frente a um caso suspeito de febre amarela”.
A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos em áreas de matas e urbana. A única forma de se proteger é por meio da vacinação. Todos os moradores de Santa Catarina, com mais de nove meses de idade e que ainda não foram vacinados, devem procurar uma unidade de saúde para se imunizar contra a doença. Uma única dose é suficiente para proteger por toda a vida. As doses estão disponíveis em 1.104 salas de vacinação de todos os 295 municípios catarinenses.
Morte de macacos
No começo de abril, a Dive/SC confirmou a primeira morte de macaco por febre amarela no estado. O macaco (bugio) foi encontrado morto no dia 20 de março em uma área de mata no município de Garuva, no Norte do estado. Já o registro do segundo macaco morto pela doença aconteceu em junho, em Pirabeiraba, em Joinville. E o terceiro foi no município de Indaial, no Vale do Itajaí, o macaco era da espécie bugio e morreu no dia 31 de maio. “Importante ressaltar que a morte de macacos indica que o vírus da febre amarela está circulando pelo estado de Santa Catarina. Os macacos, assim como os humanos, são picados pelo mosquito que transmite a doença e adoecem”, explica a bióloga Renata Gatti.
Assinatura Dive
Informações adicionais para a imprensa:
Patrícia Pozzo
Núcleo de Comunicação
Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive)
Secretaria de Estado da Saúde
Fone: (48) 3664-7406 | 3664-7402
E-mail: divecomunicacao@saude.sc.gov.br
www.dive.sc.gov.br

domingo, 14 de julho de 2019

Futsal Feminino 5ª Rodada


Neste sábado foi realizado a 5ª Rodada da 1 ª Copa Itapoá de Futsal Livre Feminino 2019 com três partidas as 19, 15 jogaram as equipes de Ajaf versos Barra do sai com arbitragem de Lucas Barboza e Leocadio  Botuca com ótimo trabalho.

as 20,15 jogaram as equipes de Entre Elas B X beira Rio.

As 21,15 jogaram as equipes de Juventus A X Entre Elas A.

Resultados Final.

Ajaf 3 X 0 Barra do Sai.

Entre Elas B 4 X 0 Beira Rio.

Juventus A 4 X 4 Entre Elas A.

------------------------------------------------
Proxima Rodada.

Entre Elas A X Ajaf.

Juventus A X Bira Rio.


Juventus B X Entre Elas B.













Futsal Veteranos Termina Fase de Classificação


,Nesta sexta feira 12 foi realizado a ultima rodada de classificação da 1ª Copa Itapoá de Futsal Veterano 2019. Com as seguinte partidas as 19, e 15 jogaram as equipes AJAF X  40s "B" com arbitragem de Lucas Barboza e Luiz carlos  Mantovanel com Ótimo trabalho.


As 20 e 15 jogaram sa equipes do Cosmos X Amigos da Barra.

As 21, 15 jogaram as equipes de Marumbi F C X 40s"A"

Resultados Final.

AJAF 3 X 2 40s'B"

Cosmos 3 X 3 Amigos da Barra

Marumbi 2 X  1 40s"A"

Próxima Fase Mata, Mata.

Barra do sai x Amigos da Barra.

AJAF X  Sai Mirim.

Marumbi X 40s"B".

Cosmos X Liberdade.





NA SUPERAÇÃO Paraná Clube, de virada, derrota o líder e segue nas primeiras posições da Série B

 Leandro Almeida comemora o gol da vitória sobre o Bragantino.
Foto: Geraldo Bubniak

O Paraná Clube derrubou o líder Bragantino, emplacou a sua terceira vitória seguida na competição – 2x1, de virada – e segue no pelotão de frente do Campeonato Brasileiro da Série B. Com 16 pontos, o Tricolor ocupa a 8ª colocação, mas a apenas 3 pontos do líder. Na sequência, o time do técnico Matheus Costa fará dois jogos fora de casa, contra Brasil e Figueirense.

A Vila Capanema recebeu quase 6 mil torcedores para acompanhar a retomada do Campeonato Brasileiro após a disputa da Copa América. O início do jogo não foi bom para o Paraná. Logo aos 9 minutos, Thiago Ribeiro bateu forte e Thiago Rodrigues espalmou, na sobra, Ytalo cabeceou para uma defesa sensacional do goleiro paranista, que viria a se tornar um dos personagens da partida.

O Paraná até arriscou algumas pontadas no ataque, com a velocidade de Bruno Rodrigues, mas em vão. Aos 15 minutos, o Bragantino abriu o placar. Thiago Ribeiro errou o chute, mas a bola quicou no gramado e encobriu seu xará: 1x0 para o Bragantino. O Tricolor só teve uma chance real para empatar. Aos 24, Bruno arrancou e tocou para Matheus Anjos, que bateu cruzado. Ramon chegou atrasado e a bola cruzou toda a área.

Com um toque de bola envolvente, o Bragantino só não ampliou devido a uma grande intervenção de Thiago Rodrigues, em chute de Claudinho e duas chances desperdiçadas por Ytalo. No intervalo, Matheus Costa procurou reorganizar o time, encaixando a marcação e trocando Itaqui por Fernando Neto.


Paraná: Thiago Rodrigues; Léo Príncipe (Éder Sciola), Eduardo Bauermann, Leandro Almeida e Guilherme Santos; Luiz Otávio, Itaqui (Fernando Neto), João Pedro e Matheus Anjos (Rodrigo Porto); Ramon e Bruno Rodrigues. Técnico: Matheus Costa
Bragantino: Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Edimar; Barreto, Uillian Correia (Roberson), Claudinho e Wesley (Morato); Ytalo e Thiago Ribeiro (Bruno Tubarão). Técnico: Antônio Carlos Zago
Local: Durival Britto (Curitiba-PR)
Árbitro: Felipe Fernandes de Lima (MG)
Assistentes: Ricardo Junio de Souza (MG) e Frederico Soares Vilarinho (MG)
Renda: R$ 122.935,00
Público pagante: 4.962
Público total: 5.728
Gols: Thiago Ribeiro aos 15’ do 1º tempo. Matheus Anjos aos 25’’ e Leandro Almeida aos 19’ do 2º tempo
Cartões amarelos: Uillian Correia, Ligger e Edimar (Bragantino). Rodrigo Porto (Paraná)

Departamento de Comunicação - PRC


sábado, 13 de julho de 2019

Servidores participam de palestra sobre bullying em Hospital Regional de Joinville


Fotos: Maila Klegien Barbi/ SES
Servidores do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt,em Joinville, participaram nesta quinta-feira,12, de uma palestra ministrada dentro da instituição pela jornalista e escritora Vanessa Bencz. O tema foi empatia.
A ideia partiu da gerente administrativa Scheila Medeiros Fernandes. "Acredito que é muito importante para nossos servidores participarem não só de palestras técnicas,como também de atividades que abordem nossas vivências e conscientizem sobre a importância de se colocar no lugar do outro", explicou.
Durante a palestra, Vanessa falou sobre sua trajetória em escolas e explicou como o assunto do bullying e da falta de empatia ainda é recorrente. "Há pesquisas que mostram que um em cada cinco estudantes brasileiros se automutilam. Esse é um assunto muito sério", pontua.
Vanessa é autora de cinco livros e já realizou mais de 1400 palestras em todo o país. O primeiro trabalho da escritora, um livro de contos e crônicas, foi publicado em 2011. Já o trabalho com foco no combate ao bullying iniciou em 2014 com o lançamento da história em quadrinhos "A Menina Distraída".
Atualmente, Vanessa é referência em temas como combate ao bullying e ao preconceito. A escritora também já foi convidada a trabalhar com Maurício de Souza, criador da Turma da Mônica. "Sempre foi meu sonho de infância trabalhar com o Maurício, mas, por enquanto, acredito que minha missão é falar sobre a importância destes temas", ressalta.
O objetivo da palestra foi reforçar o sentimento de confraternização entre os funcionários. "Não só nossos pacientes, mas também nossos servidores precisam ser cuidados", ressalta o diretor geral Evandro Rodrigues Godoy.
Mais informações para a imprensa:
Fabrício Escandiuzzi
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado da Saúde - SES
Fone: (48) 3664-8820 / 99913-0316
E-mail: imprensa@saude.sc.gov.brSite: portalses.saude.sc.gov.br


sexta-feira, 12 de julho de 2019

Governador destaca empenho da gestão para reforçar a frota das polícias

O governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou nesta quarta-feira (10) o esforço que o Estado tem feito para recompor e atualizar a frota de viaturas policiais. Em solenidade para a entrega de 100 novos veículos para as polícias Militar e Civil e para os Bombeiros, ele lembrou que assumiu o governo com cerca de 40% das viaturas policiais no conserto e que vem trabalhando para resolver a situação.
“Quando assumimos, 40 de cada 100 viaturas estavam na oficina. Agora estamos recuperando o tempo perdido, fazendo grandes investimentos na área de segurança pública”, ressaltou Ratinho Junior. Ele também salientou que as medidas adotadas pelo atual governo contribuíram para a redução da criminalidade no Estado, com quedas acentuadas nos índices de homicídios, latrocínios, roubos e de assaltos a banco.
“Queremos diminuir ainda mais os índices de violência no Paraná. Nosso compromisso é fazer uma polícia moderna, combativa e que respeita o cidadão”, afirmou o governador. “O Paraná é um Estado equilibrado e comprometido com a segurança pública”, concluiu ele durante a cerimônia realizada na Academia Militar do Guatupê, em São José dos Pinhais.
Segundo a Secretaria da Segurança Pública, nas próximas semanas aproximadamente 3 mil viaturas de estavam em manutenção voltarão ao trabalho, reforçando as ações de policiamento em todo o Paraná. Os veículos ficaram parados em oficinas por conta de problemas verificados junto à empresa JMK, responsável pela manutenção.
MEDIDAS - Em relação à manutenção da frota oficial, incluindo as viaturas policiais, o Governo do Estado adotou medidas para solucionar os problemas causados pela empresa que era responsável pela gestão dos serviços. Com o afastamento da JMK do processo, a Secretaria de Estado da Administração e da Previdência promoveu uma licitação para a contratação emergencial da nova gestora da manutenção dos veículos do Estado.
“Fizemos a contratação emergencial porque tínhamos muita pressa, para dar fluxo ao atendimento das necessidades de nossa frota. Temos quase 20 mil veículos que precisam de manutenção constante”, afirma o secretário Reinhold Stephanes. Ele lembra que o Estado prepara uma nova licitação para contratar uma solução de longo prazo para a manutenção de veículos oficiais.
A medida busca reorganizar e regularizar o serviço de manutenção da frota estadual. Assim que assumiu, a atual equipe de governo verificou indícios de irregularidades envolvendo a empresa JMK. Ao longo do ano adotadas várias providências com base no trabalho de uma comissão instaurada especialmente para verificar o caso e houve a abertura de três processos administrativos contra a empresa.
Com a operação deflagrada pela Polícia Civil em maio, que levou a prisão de diversas pessoas ligadas a JMK por suspeita de superfaturamento e prejuízo de R$ 125 milhões aos cofres do Estado, a Secretaria da Administração trabalhou para afastar a empresa do processo.
AEN

Erva-mate de São Mateus do Sul está na lista de produtos protegidos no acordo entre Mercosul e União Europeia

Erva-mate produzida na região de São Mateus do Sul recebeu selo de indicação geográfica em 2017 — Foto: IG-Mathe/Divulgação

A Erva-mate de São Mateus do Sul, na região dos Campos Gerais do Paraná, foi incluída na lista dos 36 produtos brasileiros protegidos no acordo entre o Mercosul e a União Europeia.


A medida de proteção impede a reprodução de produtos típicos em outras localidades. Por exemplo, o único queijo da Canastra que poderá ser comercializado em países da União Europeia, é o queijo produzido na região da Serra da Canastra, em Minas Gerais.
O mesmo vale para produtos europeus que serão comercializados no Mercosul. O acordo também barra expressões como 'tipo', 'estilo' e 'imitação' na exportação.
Para o presidente da Associação dos Amigos da Erva-Mate de São Mateus (IG-Mathe), Heliton Lugarini, a proteção da erva-mate no acordo valoriza o produto e facilita o acesso a novos mercados.
"Para nós é fundamental que esse reconhecimento seja aceito lá [UE]. A maioria da erva-mate que nós produzimos hoje na região são destinadas para a exportação", disse.
O texto do acordo ainda deve passar por revisões e depende da aprovação de todos os países envolvidos antes de entrar em vigor.
A região recebeu o selo de indicação geográfica para a produção da erva-mate em 2017. Para conseguirem o selo, os produtores criaram uma associação. O processo para aprovação demorou cerca de dois anos e foi concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

De acordo com a IG-Mathe, cerca de 4 mil produtores estão envolvidos com a erva-mate na região de São Mateus do Sul.
Em 2018, a produção chegou a 116 mil kg de folha. No entanto, nem todo o volume produzido foi vendido com selo de indicação geográfica. A expectativa para a safra deste ano é de crescimento de 22%, segundo a associação.
Ainda de acordo com o presidente da IG-Mathe, a proteção dentro de um acordo representa o resultado dos anos de investimento na região.
"Nós estamos dando uma resposta para aqueles produtores que abraçaram o projeto, que se capacitaram com boas práticas agrícolas. Às indústrias que foram atrás das boas práticas de fabricação, e fazer com que a gente produza, cultive e processe um produto de qualidade", contou Lugarini.

Produção de erva-mate em São Mateus do Sul segue regras de boas práticas agrícolas — Foto: IG-Mathe/Divulgação

Produtores na espera

Não é qualquer erva-mate produzida na região de São Mateus do Sul que recebe o selo de indicação geográfica. Para isso, a produção precisa seguir uma série de regras.
A genética da erva, por exemplo, precisa ser da cidade ou de outros cinco municípios da região: Rio Azul, São João do Triunfo, Antônio Olinto, Mallet e Rebouças. A produção também precisa ser sombreada com mata nativa.

O empresário Alisson Staniszewski cresceu vendo a erva-mate se multiplicar na região. A produção na família dele começou com o bisavô. Hoje são 18 alqueires destinados a erva-mate. Para ele, o acordo é visto como oportunidade.
"Falando como empresário e produtor de erva-mate, acredito ser uma grande oportunidade de reconhecimento do nosso trabalho diferenciado", disse.
A opinião é divida pelo agrônomo Fenando Toppel. Ele está há mais de três anos no ramo, apesar de a produção de erva-mate estar desde as últimas gerações presente na família. Membro da associação, ele conta que a expectativa é alta pela diferenciação do produto pelas devido às boas práticas agrícolas.
"Com certeza vai alavancar as vendas para a próxima safra. Na questão da visibilidade, vai facilitar expor um produto valorizado. É uma porta para mais um mercado, a expectativa é boa", relata o agrônomo.

Erva-mate que recebe o selo é separada para a produção — Foto: IG-Mathe/Divulgação

Acordo com a União Europeia

A Comissão Europeia informou que 220 produtos do Mercosul foram protegidos pelo acordo. Por outro lado, o Ministério das Relações Exteriores disse que 335 indicações geográficas europeias serão reconhecidas pelo bloco.
Dos 36 produtos brasileiros protegidos, seis são paranaenses, sendo eles:
  • Café de Norte Pioneiro do Paraná
  • Erva-Mate de São Mateus do Sul
  • Goiaba de Carlópolis
  • Mel de Ortigueira
  • Mel do Oeste do Paraná
  • Uvas de Marialva
  •  G1 Campos Gerais e Sul.

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Decreto assinado por Moisés regulamenta uso dos recursos do Fundo Estadual do Idoso

Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Um ano e meio após a sua criação, no final de 2017, o Fundo Estadual do Idoso está finalmente regulamentado. O governador Carlos Moisés assinou na tarde desta quarta-feira, 10, um decreto para normatizar a utilização dos recursos. O ato ocorreu na Casa d’Agronômica ao lado da secretária do Desenvolvimento Social, Maria Elisa de Caro, do chefe da Casa Civil, Douglas Borba, e de deputados estaduais da Comissão de Defesa dos Direitos do Idoso da Assembleia Legislativa (Alesc). 
Na opinião do governador, o aumento da expectativa de vida exige o estabelecimento de políticas públicas claras para o idoso, que precisam de financiamento. É com esse objetivo que serão geridos os recursos do Fundo, com foco na prevenção de doenças e na qualidade de vida da população acima de 65 anos. 
“Já há alguns recursos no Fundo por meio de aplicações feitas por empresas públicas, como a Celesc. Essa regulamentação possibilita o uso dos recursos e a efetiva aplicação para essa importante tarefa do Estado e dos municípios, que é assistir o idoso”, explica Moisés. 
Durante o ato de assinatura, o governador, secretários e deputados discutiram políticas para aumentar a qualidade de vida dos idosos, assim como a sua longevidade. Segundo a secretária do Desenvolvimento Social, bons exemplos precisam ser seguidos, e a regulamentação do Fundo ajudará nisso.
“O Fundo serve para complementar as políticas públicas que o Estado precisa implementar. Há um limite (financeiro). Quando se cria um Fundo, você toma um fôlego, já que vem uma complementação. Por isso a importância da sociedade destinar parte do que precisa recolher do Imposto de Renda para os fundos. Assim, as pessoas físicas e jurídicas sabem que estão ajudando”, diz Maria Elisa.
Também presente na assinatura do decreto, a presidente do Conselho Estadual do Idoso, Ivani Fátima Arno Coradi, destacou que o ato representa o coroamento de uma luta de 12 anos para que o Fundo se tornasse uma realidade:
“Trabalhamos muito para que isso acontecesse. Esse é um momento muito importante para o conselho. Muitos projetos para a população idosa serão beneficiados”.
Informações adicionais para a imprensa
Leonardo Gorges
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação - SECom
E-mail: leonardogorges@secom.sc.gov.br 
Fone: (48) 3665-3045
Site: www.sc.gov.br 
www.facebook.com/governosc e @GovSC 

PORTO DE PARANAGUÁ FAZ OPERAÇÃO PARA COIBIR TRÁFICO DE DROGAS

A Administração dos Portos do Paraná, a Polícia Militar e Polícia Federal se integraram para uma megaoperação contra o tráfico de drogas no Porto de Paranaguá. Na noite desta terça-feira (9), um grupo de 20 homens, formado por integrantes da Guarda Portuária, militares e agentes federais, junto de cães farejadores, vistoriaram cerca de 109 veículos que saíram do terminal com destino à África.
Segundo o chefe da Unidade Administrativa de Segurança Portuária (UASP), major César Kamakawa, a ação é uma resposta ao aumento das apreensões nos embarques no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). “A tecnologia e os equipamentos de scanner, aliados ao trabalho de fiscalização constante e a atuação da Receita Federal, fizeram com que as apreensões de droga aumentassem 13 vezes neste ano”, explicou.
As operações conjuntas passam a acontecer com mais frequência, também com a participação dos operadores portuários. “A intenção é unir as práticas e a inteligência de todas as forças de segurança para mapear as ações criminosas e combater o tráfico de drogas”, disse Kamakawa.
NOVA ORDEM – Mudanças administrativas adotadas pela administração portuária também têm auxiliado na maior segurança das áreas alfandegadas. “Uma nova ordem de serviço, que trata da atuação da Guarda Portuária, orienta as equipes de patrulhamento no cais a efetuarem mais efetivamente a abordagem de veículos e pessoas que acessam a faixa portuária, com verificação do crachá de identificação e demais documentações além de revistas nos veículos e cabines dos caminhões”, destaca o chefe da UASP.
OPERAÇÃO – A ação desta terça-feira teve início com a reunião estratégica dos grupos, às 18h30. Em seguida, por volta das 19 horas, os oficiais se deslocaram para dois pontos diferentes. Parte da equipe foi para o pátio em frente ao prédio Dom Pedro II, no cais, onde os 109 veículos para exportação estavam estacionados.
O restante do efetivo já se dirigiu ao berço 215, no TCP, onde o navio Grande Francia estava atracado. Das 19h30 às 20h30, conforme os 167 veículos importados, vindos da Alemanha, eram desembarcados, já passavam por vistoria. Enquanto isso, os veículos de exportação eram deslocados para este mesmo local, para começar o embarque. Das 20h40 às 22h10, como todos os veículos com destinos ao Uruguai e África vistoriados, a operação foi concluída. A reunião de encerramento e relatório foi realizada às 22h30.
FARO – Como explica o sargento Pires, da Companhia de Operações com cães do Batalhão e Operações Policiais Especiais (Bope), a missão foi assumida em apoio à Agência Central de Inteligência da Polícia Militar do Paraná – envolvida no trabalho de investigação sobre o tráfico de drogas.
“Nossa ação utilizou os cães de faro, da raça Pastor Belga Malinoa, na varredura para possível detecção de entorpecentes. O cão é treinado para esse fim e quando ele localiza o produto ele reage, ficando na postura de sentar. Nos últimos dois anos, esta é a primeira vez que atuamos no Porto de Paranaguá”, disse o sargento.
FEDERAL – Para o agente da Polícia Federal Alessandro Vivoni, coordenador da Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (Cesportos), os Portos do Paraná são estratégicos em vários sentidos para o comércio exterior.
“Não é diferente na questão que diz respeito ao tráfico internacional de entorpecentes. O trabalho que estamos desenvolvendo aqui no Porto de Paranaguá é fundamental para coibir esse tipo de crime”, explicou. Ainda segundo o policial, muito trabalho está sendo feito, de forma cuidadosa. “A nossa atuação está em cima de inteligência. Quando a imprensa divulga a apreensão, estas são apenas as pontas dos trabalhos. Antes delas, muitas ações já foram realizadas”.
A integração entre as forças policiais do Estado e da Federação, com os demais entes que atuam no comércio exterior (como a Receita Federal) são fundamentais. “É uma resposta. Não apenas o crime está organizado. O Estado também está organizado e sempre se organizando. O importante é a gente fechar todas as portas possíveis”, concluiu.


CESPORTOS – A Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (Cesportos) é integrada pelo Departamento de Polícia Federal, Capitania dos Portos, Receita Federal, Administrações Portuárias e Governo do Estado. A comissão é responsável em elaborar e aplicar o Plano de Segurança Portuária, que é submetido à Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (Conportos), com sede em Brasília.