sexta-feira, 22 de março de 2019

Programa melhora manutenção das escolas e ressocializa detentos

O Colégio Estadual Ermelino Leão, em Curitiba, ganhou um novo visual. A escola, localizada no bairro Boa Vista, passou por um processo de revitalização das pinturas externa e interna, executadas por detentos do Programa Mãos Amigas. Mais de 300 escolas estaduais já foram beneficiadas pelo programa do Governo do Paraná com obras de manutenção, pequenos reparos e melhorias.
Os materiais utilizados nos trabalhos foram adquiridos com recursos próprios do Estado e doações da comunidade escolar. A diretora do colégio, Silmara Maria Cordeiro, disse que a nova cara da escola incentiva os alunos. “Eles reparam que a escola está bonita e bem cuidada, se sentem pertencentes àquele espaço e responsáveis por cuidar para que continue com essa aparência. Essa sensação de pertencimento também reflete no aprendizado, eles ficam mais motivados”, disse.

Para o secretário da Educação, Renato Feder, o grande valor do programa está em unir a manutenção das escolas e a promoção da cidadania ao preso. “Ele vem até a escola, trabalha, aprende uma profissão, fica mais motivado para retomar à sociedade. E os maiores beneficiados nesse processo são os alunos, que recebem uma escola mais bonita e bem cuidada”, disse, durante a entrega do selo de conclusão dos trabalhos.
DE CARA NOVA - A mudança no Ermelino Leão é visível para quem passa na frente da escola. O corredor de entrada, portões e muros, refeitório, corredores, salão de ventos e salas administrativas receberam pintura nova. Também foram realizadas pequenas obras de melhorias nos banheiros dos funcionários e calçadas.
O aluno do 6° ano do Ensino Fundamental Edison Carlos de Oliveira Neto, de 12 anos, aprovou. “Para mim o mais importante são os estudos, mas estudar em uma escola com uma boa aparência motiva mais porque deixa tudo com um clima mais gostoso”, opinou.

A comerciante Lívia Benevides Balan, mãe da aluna Beatriz Benevides, de 10 anos, também do 6° ano, representante do Conselho Escolar, contou que a comunidade reconhece os avanços e melhorias no colégio. “Decidi matricular minha filha na escola depois de conversar com outros pais porque percebi que eles admiram a escola e percebem que a instituição está passando por reformas estruturais e novos projetos pedagógicos. Ver a escola bonita, com um ambiente melhor para os nossos filhos, e ver a felicidade deles traz um retorno significativo”, disse Lívia.

PROGRAMA - O programa Mãos Amigas utiliza mão de obra de presos do regime semiaberto para serviços de manutenção, conservação e reparos de unidades escolares e de imóveis do patrimônio público. Atende escolas de Curitiba e Região Metropolitana, Ponta Grossa, Londrina, Maringá, Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão e Guarapuava.

Além de ajudar na conservação e revitalização de prédios públicos, o programa contribui para a ressocialização dos detentos participantes e para a possibilidade de redução da pena, e permite uma economia na execução dos serviços de reparos.

O Mãos Amigas é executado em cooperação pelo Instituto Fundepar e pela Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária – Departamento Penitenciário (Depen), com participação do Paraná Educação.
AEN

Corpo de Bombeiros Militar de SC reúne equipes após mais de 50 dias de trabalho em Brumadinho

 Foto: Julio Cavalheiro / Secom


O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC) reuniu, nesta quinta-feira, 21, os militares e os cães de busca que atuaram nas buscas  em Brumadinho (MG), para uma coletiva de imprensa, realizada no Centro de Ensino Bombeiro Militar, em Florianópolis. 

O comandante-geral do CBMSC, coronel Edupércio Pratts, relatou como se deu a mobilização da corporação para atuação Brumadinho e destacou o papel dos Bombeiros na resposta ao desastre.
“A missão em Brumadinho não terminou. Nós recebemos, ontem (quarta-feira), o pedido do Comando-Geral de Minas Gerais para que o suporte do CBMSC seja mantido. Porém, fizemos questão de prestar contas sobre tudo o que já foi feito até a manhã de hoje. Os resultados continuarão aparecendo, nós continuaremos atuando, mas a partir de agora mais pontuais, seguindo a necessidade do CBMMG”, 

Foto: Julio Cavalheiro / Secom
Também prestaram esclarecimentos na coletiva de imprensa o subcomandante-geral, coronel Charles Alexandre Vieira e o tenente coronel Walter Parizotto, coordenador das forças-tarefa.
Esta quinta também foi de homenagens na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc). O deputado estadual Onir Mocellin  propôs a entrega de uma moção de aplauso ao Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, em especial aos Bombeiros que atuaram em Brumadinho.
Acionamento em Brumadinho
No dia 25 de janeiro o rompimento de uma barragem afetou drasticamente a cidade de Brumadinho (MG), e também mudou a rotina do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), com um pedido de ajuda.
O ofício, vindo do comando-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), no dia 29 de janeiro, solicitou auxílio com o envio de bombeiros militares especializados em intervenções em áreas deslizadas. O governador Moisés prontamente assinou a ordem de missão e permitiu que as forças-tarefa do CBMSC se deslocassem para Minas Gerais.
“A partir de uma experiência que nós já temos, de bombeiro militar, nós sabemos que em locais onde há desastre o envio de tropas e de apoio deve ser combinado com quem está no destino, até para que não se leve para aquela região mais um problema, de gestão de acomodações. Aguardamos o sinal daquele Governo, colocamos o apoio à disposição. Depois de algum tempo eles nos solicitaram que o apoio fosse iniciado”, declarou o governador.
O início dos trabalhos
No dia 30 de janeiro, a primeira equipe chegou a Brumadinho e os trabalhos foram iniciados, com estudo de área, reconhecimento do local com os cães para analisar a situação e traçar a estratégia a ser empregada junto com o CBMMG. A situação era difícil, por conta do terreno totalmente alagado e instável.
“Nas primeiras horas o CBMMG nos colocou a par da operação e repassou recomendações importantes a respeito de segurança. Na chegada ficamos impressionados com a dimensão daquele cenário, a quantidade de lama, a dificuldade de nos locomover nos locais, mas traçamos as estratégias e fizemos o nosso melhor”, recordou o capitão Clemente Michels.
No dia seguinte, 31 de janeiro, logo nas primeiras horas de trabalho em campo, o cão Hunter, tutoreado pelo cabo Fumagalli, foi acionado para as buscas e em pouco tempo encontrou o primeiro corpo.
“Na primeira hora de trabalho o Hunter conseguiu realizar uma indicação. Lembro que no local tinha muita lama, a gente não conseguia visualizar a vítima e nem tinha acesso, mas o cão a todo momento indicando, com a mudança de comportamento dele, que naquele local havia uma vítima submersa na lama. Com muita dificuldade montamos toda a estrutura para acessar, após muitas horas de trabalho conseguimos retirar o corpo. A partir desse momento o cão começou a se adaptar ao local, ao trabalho e outras fez outras indicações”, conta o Cabo Fumagalli.
Buscas com os cães
Um dos destaques de atuação nesta missão, os cães do CBMSC são reconhecidos e certificados internacionalmente e os cuidados com os animais são tão importantes quanto com os humanos.
Além dos tutores terem noções de primeiros socorros caninos, para a atuação em Brumadinho foi desenvolvida, pela Coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com Cães, uma cartilha ilustrada com orientações de prevenção, indicando exercícios de aquecimento antes das atividades, além de massagens para recuperação muscular e anti estresse para os animais. Os tutores também foram orientados sobre os suplementos vitamínicos, vacinas e produtos que devem ser utilizados antes e depois da atuação.


Foto: CBMSC / Divulgação
Em mais de 50 dias de missão apenas dois cães necessitaram afastamento. Iron, que passou por uma pequena cirurgia de remoção de um espinho na pata dianteira e Barney, que teve constatadas pequenas alterações nos exames diários e assim ele foi retirado da missão nos últimos dias, por precaução, sem prejuízos para a saúde do animal.
O CBMMG montou uma estrutura completa para atendimento dos cães com veterinários, hospital de campanha, exames, laboratório e todos os dias os animais foram higienizados e assistidos. Além disso, o CBMSC também manteve o acompanhamento da saúde dos Labradores com os médicos veterinários soldado Josclei Tracz, tutor do cão Iron e soldado Andreza Amorim Moraes.
Os cães passarão por uma nova bateria de exames, com coleta de sangue e análise laboratorial.
Atividades
Durante os dias de trabalho, os militares catarinenses realizaram mapeamentos das áreas, criaram estratégias para a busca de vítimas, aplicando os conhecimentos desenvolvidos em Santa Catarina. Além disso, o CBMSC também realizou desmanches manuais e hidráulicos, procedimento de retirada de água ou lama, para facilitar o trabalho ou acesso ao local afetado e identificação de documentos.
Foram encontradas 17 vítimas, além de centenas de segmentos de corpos, encaminhados para que sejam feitos exames de DNA para identificação. Também foram encontrados um container frigorífico, tratores, veículos, maquinários e animais vivos.


Foto: CBMSC / Divulgação
“Com o passar do tempo, mais difícil ficaram as buscas aos corpos no local e consequentemente demandou mais estratégia e o serviço de cães”, relatou o tenente coronel Parizotto, coordenador das forças-tarefa.
Drones
As equipes técnicas de intervenções em áreas deslizadas também realizam as buscas com drones. Santa Catarina foi o único Estado – além de Minas Gerais – a realizar as buscas no local utilizando as aeronaves não tripuladas e pilotadas remotamente. O CBMSC usou três drones, com três pilotos para o local. Os pilotos catarinenses são certificados pela corporação, que tem curso próprio para busca utilizando os equipamentos.
Saúde dos profissionais
A saúde dos bombeiros militares que foram deslocados para a missão será monitorada por meio de exames laboratoriais, realizados pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em uma parceria entre o CBMSC e a Secretaria de Estado da Saúde (SES).
Por terem passado longos períodos em contato com lama e rejeitos de mineração, é importante examinar para diagnosticar possíveis índices elevados de metais no sangue.
“Depois de devidamente orientados pelo Ministério da Saúde e autoridades do Estado de Minas Gerais, as Secretarias de Estado da Saúde estão disponibilizando a coleta e a análise laboratorial de sangue. Depois desses resultados poderemos traçar uma estratégia de cuidados de saúde”, esclareceu o secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino.
“A saúde dos profissionais que participaram da operação Brumadinho é uma preocupação da corporação e seguirá monitorada”, afirmou o coronel Edupércio Pratts, comandante-geral do CBMSC.
Além dos exames, que começaram no dia 18 de março, haverá também suporte psicológico. A partir dessas primeiras avaliações, os militares que necessitarem de apoio terão acompanhamento continuado.
“O acompanhamento da saúde dos militares deve ser realizado, por isso, logo no início da Operação Brumadinho, buscamos parceria com a Secretaria da Saúde para viabilizar os exames necessários”, destaca o coronel Charles Alexandre Vieira, subcomandante-geral do CBMSC.
Dados da missão Brumadinho:
Organização das Forças-Tarefa: início 27/01
Assinatura da ordem de Missão pelo governador Moisés: 29/01
Bombeiros Militares deslocados para o local: 43
Equipes de Força-Tarefa deslocadas: 04
Cães: 07
Equipamentos: 04 viaturas de busca, 03 drones (com 03 pilotos), 1 caminhão de ajuda humanitária, 01 ônibus para traslado
Texto: Melina Cauduro
Fotos: CBMSC/Divulgação
Informações para a Imprensa:
Comunicação Social do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina
(48) 98843-4427


    COMPLICOU Paraná Clube leva virada do Cianorte e fica em situação difícil no Estadual

    Éder Sciola tentou, mas o Cianorte levou a melhor.
    Foto: Geraldo Bubniak
    O Paraná Clube não conseguiu transformar volume de jogo em bola na rede. O time de Dado Cavalcanti perdeu para o Cianorte (2x1), na Vila Capanema, e não depende mais apenas de suas forças para chegar às semifinais da Taça Dirceu Krüger, segundo turno do Campeonato Paranaense. Além de vencer Cascavel CR e Coritiba, terá que torcer por combinação de resultados.
    Com uma postura diferente – num 4-4-2 e tendo Itaqui e Alejandro Márquez como novidades –, o Tricolor dominou as ações no primeiro tempo. Logo aos 7 minutos, Andrey foi derrubado pelo goleiro Sílvio: pênalti. O camisa 1, porém, se redimiu defendendo a cobrança de Jenison. Logo depois, novo erro de Sílvio, Jenison tocou para Andrey, que bateu à direita do alvo, pra fora.
    O Paraná ainda teve boas chances com Alesson e Éder Sciola, mas foi para o vestiário amargando o 0x0.No segundo tempo, o Tricolor seguia levando perigo nas cobranças de escanteios. Para tentar dar mais dinâmica ao meio-campo, Dado trocou Alejandro por Jhonny Lucas. Aos 20, o Paraná conseguiu sair do sufoco. Na cobrança de escanteio de Itaqui, Jenison apareceu para conferir: 1x0, aos 20 minutos.
    A torcida ainda comemorava quando o Cianorte empatou. Na bola erguida na área, Montoya deu uma “casquinha” e encobriu o goleiro Alisson: 1x1. Dado mexeu novamente no time, com as entradas de Higor Leite e Jhemerson. Porém, quem marcou foi o time visitante. Num raro contragolpe, o Cianorte chegou com Fabrício, que bateu no canto esquerdo, definindo a virada: 2x1. No final, Guilherme Santos ainda foi expulso pelo árbitro Murilo Ugolini Klein.

    Paraná Clube 1x2 Cianorte
    Paraná: Alisson; Éder Sciola, Rodolfo, Leandro Almeida e Guilherme Santos; Jeferson Lima (Higor Leite), Itaqui, Alejandro Márquez (Jhonny Lucas) e Alesson; Andrey (Jhemerson) e Jenison. Técnico: Dado Cavalcanti
    Cianorte: Sílvio; Gerônimo, Montoya, Breno e Maurício; Sidnei, Guioto, Fernandinho (Fabrício) e Felipe Ramón. Alemão (Matheus Nêgo) e Vandinho (Xavier). Técnico: Cristian de Souza
    Local: Durival Britto (Curitiba-PR)
    Árbitro: Murilo Ugolini Klein
    Assistentes: Júlio César de Souza e Alexsandro Euzébio da Silva
    Renda:
    Público pagante:
    Público total:
    Gols: Jenison aos 20’, Montoya aos 22’ e Fabrício aos 36’ do 2º tempo
    Cartões amarelos: Alesson (Paraná). Sílvio, Alemão e Sidnei (Cianorte)
    Expulsão: Guilherme Santos aos 43’ do 2º tempo

    Departamento de Comunicação - PRC

    quinta-feira, 21 de março de 2019

    Temer e Moreira Franco são presos pela PF

    Moreira Franco, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, foi citado 34 vezes em uma das delações da construtora Odebrecht, mas ainda não é oficialmente investigado pela Operação Lava Jato. (Crédito: Beto Barata/Agência Brasil)

    A Força-tarefa da Lava Jato prendeu Michel Temer, ex-presidente da República, na manhã desta quinta-feira (21). Os agentes também cumpriram um mandado contra Moreira Franco, ex-ministro de Minas e Energia, preso no Rio de Janeiro, de acordo com a GloboNews. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

    Segundo o G1, a prisão de Temer estaria relacionada a esquema de corrupção nas obras da usina Angra 3, processo sob os cuidados do juiz Bretas. O caso trata das denúncias do delator José Antunes Sobrinho, dono da Engevix. O empresário disse à Polícia Federal que pagou R$ 1 milhão em propina para fechar um contrato de obra em Angra 3. O pagamento foi feito a pedido do coronel João Baptista Lima Filho (amigo de Temer), do ex-ministro Moreira Franco e com o conhecimento do presidente Michel Temer. A Engevix fechou um contrato em um projeto da usina de Angra 3
    Delações de Funaro também comprometem Temer
    A prisão de Temer tem como base a delação de Lucio Funaro. No ano passado, Funaro entregou à Procuradoria-Geral da República informações complementares do seu acordo de colaboração premiada. Entre os documentos apresentados estão planilhas que, segundo o delator, revelam o caminho de parte dos R$ 10 milhões repassados pela Odebrecht ao MDB na campanha de 2014.

    Comunidade portuária se une para ampliar negócios

    Trinta empresas que integram a Comunidade Portuária do Paraná participam juntas da Intermodal South America, maior feira de logística da América Latina, que acontece em São Paulo. O grupo se reúne no estande dos Portos do Paraná, o maior espaço da feira, com movimento de até 3 mil pessoas por dia.
    “A ideia é somar esforços para que os empresários que atuem no Paraná possam mostrar as vantagens competitivas e fechar bons negócios. Além disso, temos uma integração que nem sempre é possível no dia a dia com técnicos de diferentes áreas e setores”, explica o presidente dos Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.
    O formato paranaense garante que prestadores de serviço, fornecedores, operadores portuários e empresários, se encontrem e façam contatos importantes. “Nossa visão é de uma integração absoluta com a autoridade portuária e o setor público. Esta edição está muito forte, refletindo o momento de otimismo nacional e também estadual, que vem com uma pauta arrojada e anima o setor privado a realizar novos investimentos”, diz o diretor do Terminal de Contêineres de Paranaguá, Juarez Moraes.
    “A Intermodal reúne nossos principais clientes e autoridades. Temos grandes perspectivas para os próximos anos e, por isso, estamos realizando obras de ampliação que vão aumentar nossa capacidade de armazenagem de líquidos”, destaca José Paulo Fernandes, da Cattalini.
    “Nós percebemos que é um momento importante para mostrar as vantagens de fazer negócios via Paraná, que tem eficiência e com um mercado em constante crescimento”, avalia Valmir Adamante, diretor da Cimbessul.
    Jeferson Fernando Hining, superintendente de negócios da Rocha, explica que a parceria é fundamental para a evolução do setor. “Em Paranaguá, os terminais que operam no Corredor de Exportação já operam em conjunto. O Paraná tem um diferencial muito grande, com referência no prêmio positivo, melhores preços e excelentes pranchas de carregamento”, diz.
    Gilberto Birkhan, da TPPF, considera que é preciso tornar o Paraná competitivo. “Nosso concorrente não é o vizinho. Queremos atrair as cargas para o Estado e aí sim, dentro da capacidade dos terminais, ter uma concorrência saudável”, disse.
    César Soares, do Novo Porto, explica que o projeto de novos negócios considera a discussão e a sinergia com toda comunidade portuária. “O projeto está na fase da emissão da licença de instalação e em três anos devem começar as atividades do empreendimento”.
    PARCEIROS - São parceiras dos Portos do Paraná na Intermodal 2019 as empresas Cargill, Cattalini, Cia Ambiental, Coamo, Cotriguaçu, Interalli/ Cbl, Klabin, Martini Meat/Ritmo Log, Mosaic/Fospar, Rocha Log, SGN Novo Porto, TCP, Harbor, All Briggs/Aquamec, Multitrans, Cimbessul, C.D Brasil, Pasa/Álcool Paraná, Marcon, Aocep,Tibagi (Aocep),Gransol (Aocep), Grano Log (Aocep), Agtl - Centro Sul, União Volpak, Fortesolo, TPPF, Rumo All, Potencia Biodiesel/Trading, Ld Com, Imcopa, Bunge.
    AEN

    Homem é morto a tiros em frente a escola, em Curitiba

    Homem é morto a tiros em frente a escola, em Curitiba — Foto: Wilson Kirsche/RPC

    Um homem foi morto a tiros em frente a uma escola municipal na Vila Fanny, em Curitiba, no fim da tarde desta quarta-feira (20), segundo a Polícia Militar (PM).
    Conforme a PM, a vítima estava esperando o filho de sete anos, na saída das aulas da tarde, na Escola Elevir Dionysio. Outros alunos saíam do local no mesmo horário. Não houve feridos.
    Ainda de acordo com a polícia, um homem chegou em um carro, atirou contra a vítima e fugiu. A direção da escola disse que, durante a confusão por causa do crime, abriu o portão para acolher os pais que aguardavam os filhos.
    A Prefeitura de Curitiba informou que as aulas ocorrem normalmente nesta quinta-feira (21).

    G1 Paraná.

    Mãe tenta ajudar filha no banco de trás, perde controle do carro e morre ejetada na BR-277

    Foto: PRF/Divulgação
    Um mulher de 30 anos morreu após ser ejetada para fora do carro na noite desta quarta-feira (20), no km 108 da BR-277, em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba. Ela estava acompanhada da filha de 7 meses, que sofreu apenas escoriações no banco traseiro.
    De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o local era uma reta e a pista estava seca. A mãe recebeu atendimento do resgate da CCR rodonorte durante cinquenta minutos, mas morreu no local. Ela não utilizava cinto de segurança.
    Segundo o sogro da vítima, Irênio, o atendimento do Samu demorou para chegar ao acidente. “Demorou quase duas horas para eles chegarem aqui. É um absurdo, uma falta de respeito com o ser humano”, disse.
    Bastante assustada, a criança foi atendida pelas equipes médicas. A PRF acredita que a mãe tenha se soltado do cinto para atender a criança e perdeu o controle do carro, que capotou e saiu da pista.
    O corpo será encaminhado ao Instituto Médico Legal de Curitiba.

    quarta-feira, 20 de março de 2019

    Governador destaca importância dos Portos do Paraná em feira internacional

    O governador Carlos Massa Ratinho Júnior esteve nesta terça-feira (19) na Intermodal South America 2019, maior feira do setor de logística e comércio exterior da América Latina, onde o Estado está presente com um estande dos Portos do Paraná. O evento, em São Paulo, reúne 400 expositores de 22 países diferentes.
    Ratinho Junior destacou a importância dos terminais paranaenses para a economia estadual e ressaltou que o Porto de Paranaguá é uma referência no país e tem o reconhecimento do setor. “Paranaguá já é o mais moderno do Brasil e da América do Sul. Agora, precisa buscar mais investimentos na exportação e importação. Isso deixa dinheiro no nosso Litoral, movimenta a economia e ajuda a produção agrícola”, afirmou.
    De acordo com o governador, nos próximos anos o Paraná fará investimentos em infraestrutura capazes de ampliar ainda mais a capacidade de negócios dos portos. “Nós estamos bem posicionados no mercado produtivo do país. Agora precisamos criar um ambiente atrativo e baixar os custos operacionais. Temos que fazer projetos de infraestrutura sustentáveis e o mundo já disponibiliza tecnologia para isso”, declarou.
    NOVOS PORTOS - Ratinho Junior também destacou que o Litoral tem oportunidade de receber mais portos nos próximos anos, o que vai potencializar a principal “indústria” local. “Já estamos trabalhando com a iniciativa privada em cima de três sugestões: um porto de Pontal do Paraná e mais dois portos em Paranaguá”, completou.
    O governador ainda citou a reestruturação da marca dos terminais portuários, que passa a ser Portos do Paraná. Segundo Ratinho Júnior, a mudança indica a preocupação em melhorar o posicionamento estratégico dessa operação no mundo. “Mudamos a nomenclatura para ficar mais claro para o mundo onde ficam os nossos portos. A ideia é fazer com que os portos sejam as grandes alavancas do desenvolvimento do Paraná”, finalizou.
    DESAFIOS - O diretor-presidente dos Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia da Silva, destacou que os desafios dos próximos anos serão ampliar a cadeia produtiva com menor custo logístico. Atualmente, os portos de Paranaguá e Antonina movimentam mais de 50 milhões de toneladas em produtos, a maioria granéis sólidos (36 milhões).
    “A proposta do governador é muita ousada. Todos os nossos investimentos estão pautados na maior eficiência do processo. Nosso desafio é dar condição de acesso, armazenagem e expedição melhores, com novos projetos de remodelação, berços de atracação”, afirmou.
    Sobre a participação na feira, Garcia destacou que o ambiente é importante para “entender qual caminho o mundo está seguindo”. O estande também permite que empresas que operam nos portos apresentem seus projetos. “Aqui é um grande lugar de negócios. É importante também para os empresários. O estande dos Portos do Paraná é diferente porque trouxe junto empresários, as empresas que trabalham em Paranaguá. Aqui elas podem fechar novos negócios. Reunimos o público e os entes privados nesse espaço”, asseverou.
    INFRAESTRUTURA - O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, afirmou que a participação na Intermodal mostra aos investidores que o Paraná está preparado para um novo ciclo de investimentos. “O Porto de Paranaguá faz parte desse grande projeto. Iniciamos o ano com o olhar voltado aos portos com trabalhos intensivos junto ao governo federal. Para garantir a ampliação por completo é preciso que a infraestrutura esteja preparada para o porto chegar a 80 milhões de toneladas por ano”, afirmou.
    Alex também citou que o governador vai anunciar em breve o maior pacote de projetos executivos da história do Paraná. “Muitos são projetos dedicados a Paranaguá e entorno para que a operação logística possa viabilizar o crescimento dos Portos. Também há a possibilidade do Porto de Paranaguá viabilizar a melhoria de vida das pessoas do Litoral. Vamos anunciar um grande projeto executivo para orgulhar a cidade de Paranaguá”, disse.
    O secretário ainda reforçou que o Paraná foi o primeiro Estado a pedir para o governo federal a delegação de competência da gestão. A transferência vai permitir ao Porto gerir todo o planejamento das licitações, em coordenação com a União, com mais agilidade e menor custo logístico.
    IMPORTÂNCIA - Paranaguá é o primeiro porto do país em exportação de óleo vegetal e frango e o primeiro em importação de fertilizantes - com a melhor prancha média operacional para o embarque dos produtos, entre os Portos brasileiros: 299 toneladas/hora.
    Em valor movimentado em exportação, o Porto de Paranaguá é o segundo do Brasil. Em 2018, foram U$ 18 bilhões. Ainda no ano passado, o terminal teve superavit de mais de U$ 3,5 bilhões e gerou U$ 32,4 bilhões em Corrente de Comércio, segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).
    Juntos, os Portos do Paraná têm área total de 4.129.801,3 metros quadrados e mais de 5,3 quilômetros de cais e píeres, distribuídos em 24 berços: 16 no cais comercial de Paranaguá, 4 berços em 2 píeres de líquidos, 2 berços em 1 píer de fertilizantes e 2 berços em Antonina.
    O Porto de Paranaguá, o principal entre os portos paranaenses, é o terceiro do Brasil em volume de movimentação geral - atrás apenas de Santos, em São Paulo (com maior em área total e cais) e Itaguaí, no Rio de Janeiro, (que movimenta minério de ferro, um produto com peso, mas baixo valor agregado).
    INTERMODAL - A Intermodal é a principal feira sobre logística, transporte de cargas e comércio exterior do continente. Ela reúne mais de 400 expositores de 22 países diferentes em uma área total de 29 mil metros quadrados.
    PARTICIPAÇÕES - Estiveram presentes na feira o secretário de Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Costa, e o presidente da Ferroeste, André Luís Gonçalves.
    AEN

    Governo do Estado criará núcleos de atuação dentro das associações de municípios catarinenses

     Foto: James Tavares/Secom
    Uma parceria firmada na tarde desta terça-feira, 19, entre o Governo do Estado e a Federação Catarinense de Municípios (Fecam), permitirá a criação de Núcleos de Gestão de Convênios (NGC) em todas as regiões de Santa Catarina. Com a desativação das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs), essas estruturas farão o gerenciamento de convênios novos e antigos celebrados entre Estado e Prefeituras. O governador Carlos Moisés também anunciou o pagamento de 108 convênios de obras finalizadas, em andamento ou paralisadas, somando aproximadamente R$ 65 milhões.
    A proposta de criação dos NGCs foi feita pela Casa Civil durante o 1º Encontro de Articulação entre Estado e Municípios, na sede da Defesa Civil, na Capital. O governador Carlos Moisés abriu o evento, que reuniu os presidentes das 21 associações de municípios de Santa Catarina.  “Acredito que é um momento muito importante para criar e fortalecer esse elo entre os prefeitos e a gestão estadual, a fim de atender os municípios da melhor forma possível”, disse o governador.
    Os núcleos, vinculados à Secretaria da Casa Civil, contarão com servidores efetivos estaduais e funcionarão dentro das associações. O secretário Douglas Borba ressaltou que esta é uma etapa importante para reforçar o perfil de governo municipalista implantado por Moisés, além de adotar uma solução econômica e eficaz para a administração pública. “Nós fizemos a visita às Regionais para montar um diagnóstico de todos os convênios ativos e pendentes e elencar as particularidades das regiões para que os serviços não sofram prejuízos com a desativação total das ADRs”, afirmou.
    Pagamento de convênios
    O Governo do Estado também se comprometeu a quitar 108 convênios pendentes com os municípios que somam cerca de R$ 65 milhões. “Estamos anunciando o pagamento dos convênios que estão esperando desde 2014 para serem honrados. Determinamos que novos convênios não serão assinados enquanto não quitarmos esse compromisso, mesmo que ele tenha sido feito por governos anteriores”, afirmou Moisés.    
    A previsão é que todos os convênios sejam honrados até julho deste ano. Também participaram do evento na Defesa Civil os secretários executivos das associações, o secretário adjunto da Casa Civil, Matheus Hoffmann, e o coordenador da Central de Atendimento aos Municípios, Silvestre Manoel Ferreira Neto.
    Informações adicionais à imprensa
    Mauren Rigo
    Assessoria de Comunicação
    Secretaria de Estado da Casa Civil
    E-mail: comunicacao@casacivil.sc.gov.brFone: (48) 3665-2005 / 98843-3497
    Site: www.scc.sc.gov.br
    www.fb.com/casacivilsc / @CasaCivilSC

    terça-feira, 19 de março de 2019

    Porto Itapoá, Banco BR Partners, BID, ABC e ING concluem financiamento de R$ 450 milhões com prazo de até 11 anos

    O Porto Itapoá, um dos mais modernos e eficientes terminais de contêineres da América Latina, foi um dos poucos empreendimentos no País que executaram investimentos privados expressivos no setor de Infraestrutura nos últimos anos.

    Localizado em Santa Catarina, uma das principais zonas de influência industrial nas regiões Sul/Sudeste do Brasil, com presença de grandes mercados produtores e consumidores, o Terminal finalizou, em 2018, uma obra de expansão que elevou sua capacidade de movimentação de 500 mil TEUs para 1,2 milhão de TEUs por ano. O Porto Itapoá está totalmente preparado para atender a demanda e possui ampla área e licenças ambientais para futuras expansões.

    Para esta fase foram investidos cerca de R$ 350 milhões que, somados aos investimentos realizados ao longo dos últimos 10 anos chegam a R$ 1,2 bilhão.

    Para consolidar o empreendimento, o Porto Itapoá tem buscado recursos no mercado financeiro, especificamente linhas de crédito do setor privado para obras de infraestrutura e, em 2018, uma importante estrutura foi desenvolvida junto ao Banco BR Partners, IDB Invest – braço de investimentos do BID, Banco Interamericano de Desenvolvimento para o setor privado – contando também com apoio de outras duas grandes instituições financeiras: ING e ABC.

    Definidas as questões contratuais e o parecer positivo para as significativas exigências socioambientais das instituições, o desembolso de R$ 450 milhões de reais foi realizado neste dia 27/2. Segundo o próprio IDB Invest, a aprovação da parceria com o Porto Itapoá teve relação direta com o atendimento dos padrões ambientais e sociais assumidos pelo Terminal, desde o início das obras do porto, incluindo monitoramento de emissões, consumo de energia e melhoria na estação de tratamento de efluentes, entre outros aspectos.

    Esta nova composição contempla R$ 150 milhões referente a empréstimo privado do IDB Invest e, R$ 300 milhões através da terceira emissão de debêntures, coordenadas pelo ABC e, em subscrição conjunta com o ING, com prazo de repagamento de 11 e 8 anos, respectivamente.

    A operação foi viabilizada em função das condições e perspectivas de crescimento do Porto Itapoá para os próximos anos que, a partir da sua atual expansão, passa a ter uma das maiores capacidades instaladas da América do Sul, pretendendo, até o fim do projeto total da expansão, chegar a 2 milhões de TEUs anuais.

    Desde o início das obras do Terminal, em 2008, o Porto Itapoá tem realizado negociações com diversos agentes financeiros a fim de estruturar os investimentos necessários. O risco de um projeto greenfield de infraestrutura neste período criavam desafios importantes para a atração de capital. Após o início das operações e já com a elevada performance financeira do terminal comprovada nos últimos anos, mesmo em cenário político e econômico adverso no nosso país, o Porto Itapoá atingiu condições especiais de negociação, atraindo parceiros financeiros da mais alta qualidade no setor de infraestrutura.

    Para o Presidente do Porto Itapoá, Cássio Schreiner, a evolução do Terminal contribuiu para um cenário positivo no desenvolvimento deste projeto financeiro. “Com a queda do risco do negócio, somada a superação das fases desafiadoras de um projeto greenfield, o Porto Itapoá conseguiu focar em negociações cada vez mais sustentáveis, tanto do ponto de vista da estrutura das garantias, como da composição de juros e possibilidade de alongamento dos prazos de pagamento, permitindo, inclusive, acelerar estratégias de ampliação da estrutura física do Terminal e desenvolvimento de novos negócios”, conclui Schreiner.

    O Gerente Administrativo-Financeiro do Porto Itapoá, Thiago Gama, e líder deste projeto acentua que “esta operação, além de representar um marco importante para a companhia, demonstra a ‘bancabilidade’ do ativo. Atrair e alinhar interesses de quatro instituições, sendo uma delas um agente multilateral (BID), com formas de atuação bastantes distintas, reforça a credibilidade do mercado na solidez construída até o momento e no futuro do Porto Itapoá. O desafio foi grande, porém a sinergia e a confiança criadas entre os times durante o projeto fizeram com que a operação fosse realizada em um tempo surpreendentemente rápido, levando em conta o histórico de mercado para operações com estas características”.

    De acordo com o Banco BR Partners, responsável pela assessoria financeira e estruturação da transação – realizada 100% em reais – a transação contou com um processo bastante amplo para a escolha dos três parceiros financeiros de longo prazo que lideraram o financiamento, ampliando as possibilidades de fundingfuturo para as próximas fases de crescimento do terminal.

    Resultados 2018Faz sete anos consecutivos que o Porto Itapoá apresenta crescimento acima da média do mercado nacional. Especificamente, em 2018, a movimentação do Porto Itapoá cresceu 10,3% em relação ao ano anterior (mesmo considerando que a expansão foi concluídas apenas em agosto), chegando a 680 mil TEUs, com um acréscimo de aproximadamente 70 mil TEUs. No Brasil, este volume de movimentação teve crescimento de 6,9%.

    O destaque em Itapoá ficou por conta das seguintes operações: as importações obtiveram crescimento de 6,5%; as exportações de cargas dry com 6,9% de acréscimo; a cabotagem com significativo aumento de 19,5%; e o transbordo com um robusto incremento de 30,2%.

    Estrutura Acionária do Porto Itapoá- Grupo PortoSul, ligado ao setor madeireiro e de transporte, com origem em Santa Catarina e atuação também nos Estados do Paraná e São Paulo, foram os responsáveis pela concepção do Porto Itapoá.

    - Fundo de investimentos LOGZ – Logística Brasil SA, é ligado ao fundo BRZ Investimentos, um dos principais fundos de private equity do Brasil, com larga experiência no setor de infraestrutura.

    - Aliança Navegação e Logística, compõe o grupo A. P. Moller-Maersk – o maior armador do mundo no transporte marítimo de contêineres. Recentemente o grupo adquiriu a Hamburg Süd, então proprietária do armador Aliança Navegação e Logística, sócia do Porto Itapoá.

    http://www.portoitapoa.com.br/noticia/Porto_Itapoa,_Banco_BR_Partners,_BID,_ABC_e_ING_concluem_financiamento_de_R$_450_milhoes_com_prazo_de_ate_11_anos/593

    Cinco homens são presos em operação contra pedofilia em quatro cidades do Paraná

    Polícia cumpriu nesta terça-feira (19) mandados operação contra a pedofilia em 8 cidades do Paraná — Foto: Divulgação/PCPR

    Cinco homens foram presos nesta terça-feira (19) com materiais ilegais, como fotos e vídeos de crianças e de adolescentes em situação de exploração sexual, de acordo com a Polícia Civil. As prisões foram efetuadas em quatro cidades do Paraná.
    Logo cedo, policiais civis foram às ruas para cumprir 11 mandados de busca e apreensão em uma operação – batizada de "Proteção Integral" – contra a pedofilia. A ação ocorreu em oito municípios paranaenses.

    Flagrante

    Durante a operação, a Polícia Civil apreendeu computadores, notebooks, HDs, pendrives e outros equipamentos de informática e de armazenamento com os cinco suspeitos. Então, foram presos em flagrante por possuírem os materiais ilegais.
    Eles têm entre 30 e 47 anos. Duas prisões ocorreram em Londrina, no norte do estado; uma em Cascavel, no oeste; uma Pato Branco, no sudoeste; e uma em Almirante Tamandaré, que fica na Região Metropolitana de Curitiba.
    Até o momento, não há indícios de que os cinco suspeitos produzissem os materiais pornográficos, conforme a polícia.
    O objetivo da ação é, segundo a Polícia Civil, combater o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes.

    Indiciamento

    De acordo com a Polícia Civil, além das prisões em flagrante, quatro pessoas foram indiciadas sob a suspeita de terem baixado e apagado o material pornográfico envolvendo menores de idade.
    Por meio da perícia que será feita nos materiais apreendidos, a Polícia Civil pretende identificar mais suspeitos de compartilhar as imagens.

    Busca e apreensão

    Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas seguintes cidades:
    • Curitiba
    • Londrina (norte)
    • Foz do Iguaçu (oeste)
    • Cascavel (oeste)
    • Almirante Tamandaré (Região Metropolitana de Curitiba)
    • Palmas (centro-sul)
    • Pato Branco (sudoeste)
    • Cambé (norte)
    Em cada um desses municípios, foi cumprido um mandado de busca e apreensão, com exceção de Londrina, onde havia quatro mandados.