domingo, 1 de janeiro de 2012

FORTE VENDAVAL NA BARRA DO SAI


Batismo da virada, por volta de zero horas e vite minutos um forte vendaval aconteceu na Barra do Sai. Causando alguns estrago no telhado de alguns imoveis felizmente de poucas proporções. São Pedro Batizou o foguetório com um vendaval soprando do
sul para o norte talvez levando toda parte negativo do ano velho pra longo daqui.

Um comentário:

Anônimo disse...

O FAROL NA TRAVESSIA DE GARUVA

Todos os veranistas que fogem da travessia de Guaratuba, acabam sendo vítimas da "travessia de Garuva". E acaba sendo a grande decepção na visita às praias de Santa Catarina. E o motivo é sempre o mesmo.Não são as praias, a infra-estrutura (às vezes precária), ou tantos outros senões. É sempre a dificuldade em cruzar a região de Garuva, onde uma rodovia estadual serve de pista local e é priorizada como tal.
E, como pista local, está privilegiando apenas os moradores da cidade, esquecendo-se que se trata de uma rodovia estadual que acabou sendo utilizada como pista local. Várias vezes ao ano vou até as praias da região de Itapoá e Barra do Sai. E o retorno é sempre o maior martírio, causado, sim, pelo excesso de veículos (na versão oficial). Agora, não é preciso ser nenhum estudioso de trânsito ou especialista em engenharia de transportes para saber que aquele farol colocado na rodovia que passa por dentro de Garuva, interrompendo o fluxo de veículos para acesso à rodovia SC-PR é o grande causador de todo o transtorno. Sem a interrupção do farol, não se gastariam de três a quatro horas para percorrer apenas 30 km. Uma velocidade média de 30 km/h já seria sofrível; mas 6 km/h já é demais.
Sugiro um movimento do BLOG para que, nas épocas críticas, como final do ano/ carnaval, feriados prolongados, seja estabelecido pela Prefeitura de Garuva uma ação que, sem interromper a travessia da rodovia pelos moradores da cidade, também beneficie milhares de veranistas (2800/ veículos hora) que usam a rodovia de acesso às praias de Santa Catarina e PR.A Prefeitura poderia, sim, capitalizar esse esforço, e teria a simpatia de milhares de veranistas que se utilizam daquele trecho.
Fica aí a sugestão e o meu protesto pelo atual descaso: a Prefeitura não pode considerar a rodovia Estadual como "rua" da cidade.
Anderson (dulandz@uol.com.br)