terça-feira, 16 de maio de 2017

Morcego resgatado em apartamento no Ahú é diagnosticado com vírus da raiva; prefeitura orienta


                                              (Imagem ilustrativa/Arquivo Pixabay)

Um morcego diagnosticado com raiva foi encontrado dentro de um apartamento no bairro Ahú, em Curitiba, no começo deste mês. Segundo a Unidade de Vigilância e Zoonoses (UVZ), esse é o segundo caso registrado na cidade desde janeiro.
“Essa foi uma das ocorrências que nós atendemos. O animal foi detectado pelos moradores do apartamento durante a madrugada. Eles escutaram um barulho no banheiro e perceberam o morcego no chão, escondido debaixo de uma balança, dessas que usamos para nos pesar”, contou a bióloga Cláudia Staudacher, chefe de fauna sinantrópica da UVZ, em entrevista à Banda B nesta terça-feira (16).
Logo pela manhã, a equipe da Unidade foi até o apartamento, que fica no quinto andar, para recolher o animal. “Assim que removi o morcego do chão, uma fêmea, percebi que ele não estava bem de saúde. Eu alertei a família e o levei para a nossa sede na Cidade Industrial de Curitiba, onde a eutanásia foi realizada. Eu ainda coletei o cérebro dele e mandei para exame, que confirmou a contaminação pelo vírus da raiva”, completou a bióloga.
A partir do caso registrado no bairro Ahú, Cláudia pede que a população fique atenta e tome alguns cuidados para evitar a transmissão do vírus. Confira abaixo:
Capturar o morcego
Se você encontrar um morcego dentro de casa, a dica número um é não tocá-lo com a mão livre. “Não mexa nele, em hipótese alguma. Se o animal estiver morto, é possível coletá-lo com uma pá de lixo e colocá-lo em um saco plástico ou vidro. Em seguida, ligue para o 156, para fazer a remoção. É importante não jogar o morcego fora, mesmo se ele estiver morto”, alertou a bióloga.
Caso o animal esteja vivo no chão, a orientação é isolá-lo com um balde antes de entrar em contato com a prefeitura. “Se ele estiver pendurado na cortina, nós recomendamos que os moradores abram bem a janela, apaguem a luz, isolem o ambiente e deixem ele sair. Se o morcego se recusar, ligue para o 156”.
Na hipótese de você encontrar o animal voando pela casa, sem saber como e o momento em que ele entrou, também procure a Unidade de Zoonoses. Se a família não sabe há quanto tempo o morcego está ali, é essencial encaminhá-lo para fazer o exame de raiva.
Manter os pets vacinados
A vacinação dos animais de estimação é outro ponto importante na luta contra a raiva, porque eles também são afetados pela doença. “Mesmo nos de apartamento, a imunização precisa estar em dia, regulada anualmente. As pessoas acham que o pet está livre porque não sai de casa, mas os morcegos podem entrar pelas janelas. É necessária uma atenção especial para os gatos, porque eles caçam e podem entrar em contato direto com o bicho”.
De acordo com ela, a média de contaminação da raiva em morcegos é de duas a três por ano em Curitiba. Em caso de dúvidas, entre em contato com o 156.

Nenhum comentário: