terça-feira, 23 de outubro de 2018

Condomínio em Curitiba está se desintegrando e moradores não sabem mais a quem recorrer

Foto: Denis Ferreira Netto/Tribuna do Paraná

Problema parecido foi vivenciado pela também professora, Cristine Lois, 28, que mora no Up Life há 2 anos. Além do transtorno provocado pelas inundações frequentes pelo ralo da cozinha, ela afirma ter perdido móveis e eletrodomésticos devido aos alagamentos. “Não recebemos nenhum tipo de reembolso, nada. Nem um pedido de desculpas que fosse”, reclama. Por conta do mal isolamento tubular, a professora afirma viver “num campo minado” dentro da própria casa, pois sabe que qualquer “pingo” que cai no chão de sua casa pode provocar problemas para o vizinho de baixo. “Eu mesma vedei o ralo da cozinha para evitar que escorra água para o apartamento de baixo. Dá medo até de virar um copo no chão porque vaza tudo pra baixo”, desabafa.
Considerado um dos casos mais graves, o de Soely reportado no início da matéria aconteceu no fim do ano passado. Segundo o síndico do residencial, a inundação de fezes aconteceu devido ao entupimento da caixa de esgoto do edifício que, sem isolamento adequado, acabou “desaguando” pelo ralo do banheiro da dona de casa. “Tive sorte do meu neto não estar em casa aquele dia. Já foi um pesadelo só eu e meu marido tendo que dar jeito naquela nojeira, imagina uma criança pulando e correndo no meio do esgoto”, lamenta.
Menos grave seria se a história parasse por aqui. Logo, problemas estruturais também começaram a surgir nas áreas comuns do condomínio. Na quadra esportiva, chão rachado. Na piscina, pastilhas soltando. Nos halls de entrada, tetos rachados, desníveis no piso e alagamentos frequentes. No ático de uma das torres, o mau isolamento entre os andares provoca transtornos nos dias de chuva, inundando os apartamentos abaixo. Além de tudo isso, elevadores parados em pelo menos duas torres, por conta de infiltrações e vazamentos, obrigam moradores a utilizar as escadas e, quando funcionam paliativamente, apresentam risco de choque elétrico ou de travamento entre andares.

Saída estratégica

Depois de mais de 800 reclamações registradas e quase R$ 200 mil desembolsados pelo próprio condomínio, o síndico do residencial buscou assessoria jurídica para intermediar a comunicação com a empresa. A Tribuna entrou em contato com o advogado responsável, Luciano de Souza. Ele explicou que ainda não existe processo formal aberto contra a construtora, porém 8 notificações já foram formalizadas extrajudicialmente em face da Cyrela. Conforme explanou o advogado, até poucos meses a incorporadora respondia aos acionamentos e a resposta diante dos problemas relatados seguia sempre duas linhas de defesa. A primeira atribuía as ocorrências ao mau uso das instalações por parte dos condôminos e a segunda, alegava a expiração do período de 5 anos de garantia, no qual a construtora arcaria com os custos dos reparos relatados. Conforme explicou o advogado, a decisão final a respeito da abertura do processo deverá ser feita em assembleia convocada pela sindicância do condomínio em breve.
Em nota enviada à Tribuna, a Cyrela emitiu posicionamento afirmando que, desde a inauguração do complexo habitacional tem tratado das questões elencadas junto aos síndicos responsáveis. A incorporadora afirmou que em maio deste ano, em reunião com o síndico, observou uso incompatível e falta de manutenção em algumas instalações do condomínio e, por esse motivo, não se responsabilizou pelos reparos solicitados. Quanto às novas reclamações, a incorporadora afirma que os itens de sua responsabilidade serão solucionados com a maior brevidade possível.
Foto: Denis Ferreira Netto/Tribuna do Paraná
Foto: Denis Ferreira Netto/Tribuna do Paraná

Confira, na íntegra, a resposta da empresa.

Em virtude do contato realizado pelo veículo Tribuna do Paraná, no dia 18/10/2018, a DGC PINHEIRINHO LTDA., uma empresa do Grupo CYRELA BRAZIL REALTY, na qualidade de incorporadora imobiliária do empreendimento em questão, vem manifestar-se nos termos que seguem. O Edifício Up Life, localizado na Rua Reinaldo Stocco, 174, na Capital paranaense, trata-se de um empreendimento imobiliário da linha LIVING, composto por seis torres de apartamentos residenciais, com 576 unidades habitacionais no total, tendo o mesmo sido construído entre os anos 2011 e 2014.
Ou seja, foi concluído e entregue há mais de 4 anos. Desde então, a incorporadora imobiliária vem mantendo diversas tratativas com os Síndicos eleitos para a administração do Condomínio, de forma a estabelecer um canal de comunicação para resolução dos pleitos manifestados por aqueles. Neste contexto, cumpre ressaltar que em março do corrente ano, o Condomínio apresentou solicitações de melhorias e reparos que entende necessários no empreendimento.
Diante disto, o departamento de assistência técnica da empresa analisou as solicitações e apresentou ao Síndico atual (Sr. Sérgio Luiz Ribeiro), em reunião presencial realizada no mês de maio de 2018, quais itens a empresa compreendia como pertinentes e de responsabilidade desta, e quais itens entendia que não eram de sua responsabilidade, por entender que tinham origem em falta de manutenção ou uso incompatível com as orientações do fabricante.
Desde então, apesar de várias tentativas, a empresa não obteve nenhum retorno formal por parte do Condomínio autorizando a realização dos itens assumidos pela signatária. Importante esclarecer também, que a incorporadora adota o sistema de abertura de chamados através da central de relacionamento com o Cliente, para o recebimento, atendimento, e devolução dos serviços e demandas/reclamações, registrados pelos Clientes/Síndico, no que diz respeito as unidades privativas e áreas comuns, respectivamente. Por conseguinte, cabe ao Síndico a adoção deste canal de atendimento para registro das postulações, procedimento este que não vinha sendo adotado nos últimos meses. Outrossim, a empresa informa e ratifica que todos os itens que são de sua responsabilidade serão solucionados com a maior brevidade possível, a partir da autorização formal do Condomínio para o início de sua execução.
Por sua vez, os itens que decorram da não realização de manutenção (conforme orientações prescritas pela empresa e constantes do Manual das Áreas Comuns) ou de uso incompatível com as orientações do fabricante, não poderão suportados pela incorporadora, eis que de responsabilidade do Condomínio. Por fim, cumpre informar que a incorporadora, por meio de seu departamento de assistência técnica, já havia agendado uma reunião presencial com o referido Síndico, a qual está aprazada para a próxima semana, na qual serão tratados todos os assuntos pertinentes às postulações do Condomínio. Por fim, a empresa lamenta os transtornos ocorridos no empreendimento, reiterando a sua disposição para realizar as melhorias tão logo seja possível.

Nenhum comentário: